domingo, 6 de julho de 2008

Nada além do sangue

Olá vizinhos e queridos leitores, faz um tempo que não escrevo. Senti saudades. Todos os dias penso em algo interessante de ser postado, mas ñ há disponibilidade de tempo nem empenho. Por isso acumulo e é difícil ser objetiva demais, se achou o texto cumprido, pode pressionar F4.
No entanto, vim relatar a conclusão expressiva sobre o q me aconteceu ultimamente. Vivi situações que provocariam grandes postagens, textos enormes com reflexões pertinentes, mas com certeza, sem conclusõs gloriosas. Expressaria em palavras as polêmicas de meus pensamentos e deixaria claro – mesmo que implícito – os sentimentos de revolta, complexo, auto-piedade, criticismo agúdo, dramas e crise de questionamento interior.
Mesmo com muito acontecendo, o tempo continuou passando e em cada brisa, a intensidade de minhas reações é lapidada. Enquanto situações conflitantes surgiam em uma esfera, em outra tive que conter toda reação emotiva muito intensa e impulsiva para tentar ser benção. Deus me responsabilizou de duas ministrações e fui condicionada a recebê-las antes de entregá-las. Os estudos foram baseados na pesca,no peixe,na rede que Cristo mandou ser lançada novamente. Quando pescamos? Como pescamos? Mas principalmente, como e quando lançamos a rede. Usei o texto de João cap 21. Pedro, que havia negado a Cristo, recebe incubência de cuidar de suas ovelhas; Cristo, que sabia que seria negado, nos ensina algo lindo: após ter sido traído, Ele amou a Pedro, ñ questionou seu erro, tão somente confrontou seu amor ao perguntar-lhe três vezes sobre seu amor e depois CONFIOU a ele suas ovelhas deixando claro que Pedro sofreria para vencer nesse ministério. Sem que Pedro se justificasse, Cristo compreendeu sua fraqueza e temor quando acusado pelas pessoas que perseguiam os que criam no homem condenado à crucificação. Mesmo assim, com compreensão e amor incomparáveis, Ele amou a Pedro e não deixou de confiar nele, pois tinha esperança em sua capacidade de vencer, de brilhar em um ministério necessário para o crescimento do Reino. .... Juntamente com essa reflexão, eu pensava nos desertos... Bem que Cristo me avisou que eu passaria por um. Subindo às escadas, tudo em silêncio, escutei a voz de alerta “deserto”. Eu aceitei ao perceber que não era um convite e sim um aviso. Matutei, matutei. Foram ligações, e-mails, encontros, orações, viagem, madrugadas, reflexões em ônibus e nas caminhadas sob o sol, todos os dias e vão continuar. Mas a intensidade tem diminuído. Interiorizo o que possa prejudicar o próximo, mas só até me encontrar com o travesseiro amigo ou com o amigo "ombro-travesseiro". A cada dia, mais paz, por minutos, pequenos (ou grandes) surtos. Mas eles passam e a maquiagem pode ser reposta. É uma guerra de pensamentos. Todos os dias surgem complexos novos e a mania de prever o futuro (geralmente mt pessimista) piora tudo isso e transforma a gota em tempestade; tudo bem, posso dizer q transforma o absurdo em insuportável, pois não deixa de ser absurdo, mas é suportável. E assim tenho vivido: ocupada. Aulas, amigos, estudos, trabalho e mais trabalho. A vida passa, o tempo não para, e de repente, posso respirar, tendo percebido o q aconteceu, mas sem dar importância exarcebada. Foi então, que um dia ouvi uma música que falou tudo em apenas uma frase: “Nothing but the blood of Jesus”. O que pode me lavar de tantos pecados e pode me fazer santa? Nada além do sangue de Jesus. E tudo é pelo sangue. A libertação, a cura, a força, a justificação, tudo! Pelo precioso sangue de Jesus. Nada, se não for por Cristo e pelo sangue dEle. Se Ele pagou por tudo, não devo discutir draminhas, tão somente trocar o julgo pesado pelo leve.
Deixar que prevaleça o efeito do que Ele fez por mim. E tudo o que Deus fez, ele viu que era bom... tudo o que Deus faz, é bom. Sua vontade é perfeita e agradável. Bem aventurados...os que choram, pois serão consolados. E que qualquer deserto, se transforme em jardim secreto. Sem miragens, mas com poços reais cheios de água fresca que dá força na caminhada e renova a esperança de que no final, a paisagem será contemplada com alegria e desfrutada com mais sabedoria, uma vez q tudo isso é apenas aprendizado.

"Nothing but the blood of JEsus..." http://www.youtube.com/watch?v=wej1jHtiH-M

3 comentários:

Nídia disse...

Ânimo, amiga!

Lê Cami disse...

Estou aprendendo com vc. Cada dia, um fôlego novo. Situações diferentes? Nem tanto. O contexto, talvez. Mas a única resposta que serve pra mim e pra vc é esta: o sangue de Jesus. Obrigada por mostrar isso. Por se deixar ser usada desta maneira. Por dividir seu aprendizado.
Estou aprendendo com vc.
Bj

Larinha, Lara ou La ... disse...

é...é no deserto que o Senhor encontrou a mulher samaritana, e a ela ofereceu a água da vida eterna!... Quando chegamos no deserto, lá já está o Senhor a nos esperar! ;)
Despois, me conta como foi este encontro! ;)
bjim
ps: great post!